Histórico da TOC

Ondas de Choque são ondas mecanicas e acústicas que fazem parte do nosso cotidiano como aquelas geradas por explosões.

Durante a II Guerra Mundial foi observado que marinheiros que sofriam o impacto de explosões apresentavam-se intactos externamente, mas em seus pulmões haviam pequenas lesões atribuídas às ondas de choque propagadas através da água e geradas pelas bombas submarinas.

Surge então o rápido interesse pelos efeitos biológicos e uso médico das ondas de choque.

A Terapia de Ondas de Choque Extracorpórea é utilizada na Medicina desde 1980 quando, pela primeira vez, um paciente com “ pedra nos rins” foi tratado. Devido a sua comprovada eficácia, hoje o tratamento de escolha para os cálculos renais é a Litotripsia por Ondas de Choque.

Devido às descobertas subsequentes sobre os mecanismos de ação das Ondas de Choque, o Tratamento por Ondas de Choque é utilizado com sucesso na Ortopedia desde os anos 90 nos centros da Europa e EUA. Em 1999 a tecnologia chegou ao Brasil, com reconhecimento pelo órgão regulamentador do Brasil, a Anvisa. Minas Gerais recebeu a tecnologia pela primeira vez em 2005 sob os cuidados do Dr. Carlos Henrique Mandelik, médico Ortopedista e Fisiatra.

Atualmente a Terapia de Ondas de Choque alcançou a área da Medicina Estética com resultados realmente efetivos para o tratamento da Celulite, Linfedema, dentre outras indicações, como já são observados nos casos de Feridas e Úlceras Cronicas.

Novas indicações estão sendo estudadas nos grandes centros nas seguintes áreas: Urologia (Disfunção Erétil e Doença de Peyronie), Neurologia/ Fisiatria (tratamento da Espasticidade pós lesão cerebral) e Cardiologia (revascularização cardíaca).