Como Funciona

Assim como no cérebro e nos músculos do coração, as articulações quando em movimento, produzem um campo elétrico biológico.

A cartilagem age como uma esponja que absorve e libera o líquido sinovial. Daí, a cada ciclo do movimento, cargas elétricas positivas existentes na substância sinovial aproximam-se e afastam-se da matriz cartilaginosa, que tem carga negativa. Essa movimentação de aproximação e afastamento de cargas elétricas é a causa do aparecimento dos pulsos eletromagnéticos.

Estes campos enviam sinais que estimulam as células das cartilagens (condrócitos) a produzir os constituintes adequados para a sua constante renovação (colágeno e proteínas como proteoglicanos e glicosaminoglicanos). Este campo portanto, contribui para a capacidade de auto-regeneração das cartilagens, ossos e dos tecidos conjuntivos.

A articulação degenerada e inflamada pela artrose ou por trauma tem a mobilidade comprometida. Conseqüentemente o campo é perturbado e os sinais elétricos vão se atenuando com o passar do tempo, num ciclo vicioso, levando a falta de reposição dos materiais que formam as cartilagens.

Os equipamentos PST produzem campos magnéticos que mimetizam as do corpo sadio, e atuam na reconstrução do campo elétrico biológico, estimulando o metabolismo e a atividade dos condrócitos, reativando assim, o processo inato e biológico de reparação tecidual, interrompendo o ciclo vicioso da perda de cartilagem.