Hístória da Ozonioterapia

  • 1840: descoberta do ozonio pelo químico alemão Christian F. Schoenbein, quando trabalhava com corrente elétrica em água e notou um odor característico, forte, a que deu nome de “ozon”, derivado do termo grego “ozein” (= aquilo que emite cheiro).
  • 1857: primeiro uso terapeutico do ozonio pelo engenheiro e inventor Werner von Siemens que construiu o primeiro gerador de ozonio.
  • 1891: primeiro artigo sobre ozonio publicado em revista academica por Labbe e Oudin.
  • 1ª Guerra Mundial: uso tópico do ozonio no tratamento de feridas em soldados por Albert Wolf, obtendo excelentes resultados e publicado em 1915.
  • 1917: publicação na revista LANCET do artigo “The Medical Use of Ozone”, por G. Stoker.
  • 1929: Publicação do livro nos EUA “Ozonio e Sua Ação Terapeutica”, que listava 114 doenças e como tratá-las com ozonio.
  • 1935: publicação do resumo “Uber Ozonbehandlung in der Chirurugie” (Sobre o Tratamento com Ozonio em Cirurgia), pelo cirurgião austríaco Erwin Payr, com 290 páginas, durante o 59 Congresso da Sociedade Alemã de Cirurgia, em Berlim. Este é considerado o início da Ozonioterapia como se conhece nos dias atuais.
  • 1ª metade do Século XX: Ozonioterapia era limitada pela falta de materiais resistentes à oxidação pelo ozonio; utilização básica era a Ozonioterapia Tópica.
  • 1957: geração dos primeiros equipamentos medicinais desenvolvidos pelos alemães Joachim Haensler (matemático e químico responsável pelo hardware) e Hans H. Wolff (Doutor em Medicina responsável pelas pesquisas clínicas).
  • 1975: início dos estudos com a Ozonioterapia no Brasil pelo médico Heinz Konrad, idealizador e divulgador da aplicação da Ozonioterapia nas Hepatites Cronicas e Infecções Herpéticas.
  • 1979: publicação do primeiro livro sobre Ozonioterapia, “Das Medizinishe Ozon” (O Ozonio Médico), com 584 páginas e nada menos que 730 referencias bibliográficas, pelo alemão Hans H. Wolff.
  • A partir da década de 1980: expansão da Ozonioterapia para outros países e ínicio das pesquisas em laboratório sobre a ação do ozonio medicinal, sobretudo com os trabalhos do Prof. Velio Bocci, da Universidade de Siena, na Ítália.
  • 1981: primeiro trabalho sobre o “Tratamento da Herpes e Hepatites Virais com o Ozonio”; mundialmente reconhecido e apresentado pelo brasileiro Hainz Konrad no Congresso Mundial de Ozonio, em Berlim, Alemanha.
  • 1985: publicação do segundo livro sobre Ozonioterapia, “Praxis der Ozon-Sauerstoff Therapie” (A Prática da Terapia com Oxigenio-Ozonio), por Renate V. Haensler (filha do pioneiro Joachim Haensler).
  • 1988: Primeira Conferencia Nacional do Ozonio, em Havana/Cuba, onde fora apresentado o primeiro protocolo de tratamento no Pé Diabético. Cuba hoje é referencia mundial em Ozonioterapia.
  • 1995: publicação do primeiro volume do “Ozon-Handbuch” (Manual do Ozonio), fonte de referencia para todos profissionais da área.
  • A partir de 1996: Início de vários projetos de pesquisa sobre o ozonio no Brasil (na Medicina, Odontologia, Veterinária, Indústria), dentre eles, na UNIFENAS iniciou-se o estudo da Ozonioterapia nas Infecções Ósseas da Mandíbula; na PUC/Minas Gerais e na Santa Casa de Misericórdia/São Paulo, o estudo da técnica em ratos e coelhos.
  • 1999: início do uso na Espanha da mistura oxigenio-ozonio no tratamento da Hérnia de Disco.
  • 2002: publicação de um dos mais importantes livros sobre Ozonioterapia, “Oxigen-Ozone Therapy, a Critical Evaluation” (Terapia com Oxigenio-Ozonio, uma Avaliação Crítica), pelo Prof. Velio Bocci, da Universidade de Siena, Itália.
  • 2005: publicação do livro “Ozone – A New Medical Drug” (Ozonio – Uma Nova Droga em Medicina), pelo Prof. Velio Bocci.
  • 2004: maior visibilidade da Ozonioterapia no Brasil, devido a Primeira Conferencia Internacional sobre o Uso Médico e Odontológico do Ozonio, organizada pela Secretaria de Saúde do Município de Santo André/ABC Paulista.
  • 2006: Primeiro Congresso Interanacional de Ozonio, em Belo Horizonte/MG, onde foi lançada as bases da ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia; a ABOZ hoje representa os médicos junto aos orgãos regulamentadores da área, e desde então, com apoio das ínumeras Associações Internacionais, vem desenvolvendo cursos, simpósios e congressos, referentes à Ozonioterapia no Brasil.