30.000 Seguidores e Curtidas no Facebook – Mar/19

Rotineiramente em nossa clínica meu trabalho é assistir os pacientes em toda individualidade e necessidade que lhes cabem.
Como administrador de uma página de saúde meu dever é informar um público “supostamente” interessado, sobre as novidades, curiosidades e abordagens da Medicina Integrativa e Ortomolecular e, do manejo ao paciente com dor, considerando minhas áreas de atuação.
Fico grato por interagir diariamente com curiosos e principalmente por aqueles que, de alguma forma, possam se beneficiar desses posts semanais.

54207588_2299914606944616_5104962754674950144_n

Carnaval 2019 Revitalle: Cerveja Sem Glúten – Mar/19

Carnaval também é para ser curtida por quem adere ao estilo Revitalle de ser!
Quem disse que o mercado também não nos prestigia? Essas, especialmente geladas e SEM GLÚTEN
Revitalle adverte: beba com moderação!

53302405_2297376303865113_7597643721802252288_n

Terapia de Ondas de Choque Para Tratamento das Tendinites e Bursites – Fev/19

TERAPIA DE ONDAS DE CHOQUE NO TRATAMENTO DAS TENDINITES E BURSITES
Fim das dores em apenas 3 a 5 sessões, 1x/sem cada.
Alívio imediato da dor e reparação (regeneração) completa do tendão pela liberação de Fatores de Crescimento local, além de migração de células tronco ao tecido tratado.

IMG_0086

Como Eliminar os Metais Pesados Através da Quelaçāo – Fev/19

 

A preocupação com a presença cronica de metais pesados e de outras toxinas ambientais é um dos pilares da prática Ortomolecular. Qualquer doença que tenha como base uma disfunção mitocondrial, as Mitocondrias representando as “pilhas” de nossas células, ou um bloqueio de função da Matriz que envolve as mesmas, devemos pensar num excesso de toxinas ambientais dentro do nosso organismo.
Atualmente dispomos de exames laboratoriais, o mais eficaz o MINERALOGRAMA SALIVAR, para diagnosticar uma provável intoxicação por metais pesados.
O drama de toda uma população e dos socorristas que estejam envolvidos nos casos Brumadinho/ Mariana passa também pela intoxicação por metais pesados presentes nos rejeitos.
A Medicina Ortomolecular lida com essa questāo num tratamento conhecido como QUELAÇĀO; trata-se da administraçāo via SOROTERAPIA de substancias capazes de se ligar aos metais pesados, os QUELANTES, que juntamente com outros nutrientes infundidos, darão substratos ao organismo para viabilizar uma detoxificaçāo eficaz, eliminando os inúmeros metais pesados e outras toxinas que por ventura estejam aguda ou cronicamente depositados no organismo.

53005055_2294634417472635_8086788574957010944_n

Intoxicaçāo Por Metais Pesados – Fev/19

Constantemente estamos sendo “bombardeados” por uma quantidade excessiva de toxinas ambientais (mais de 100.000 contabilizadas de contato rotineiro), principalmente por METAIS PESADOS.
A mídia se preocupa apenas quando o assunto é intoxicação aguda por exposição acidental a eles. Mas você já parou para imaginar que dia após dia, desde o nosso nascimento estamos acumulando os mais diversos metais?
Um pequeno exemplo:
- arsênico despejado em nossa fonte de água potável decorrente da mineração;
- alumínio presente em desodorantes, enlatados e panelas;
- mercúrio contaminante do salmão, sardinha, amálgamas;
- chumbo presente em certos cosméticos, jornais, etc.
A lista não tem fim…
Então fique atento porque, aquelas doenças em que a medicina alopática tradicional não te explica nem de onde vem e nem para onde vai, todas tem ligação com toxinas ambientais.
E como identificar e tratar? No próximo post.

52599003_2292095197726557_5246487123988578304_n

II Conferencia Anual de Terapia de Ondas de Choque da Gra Bretanha – Fev/19

Dr. Carlos Mandelik estará presente na II Conferencia Anual de Terapia de Ondas de Choque da Gra Bretanha, trazendo as últimas novidades para o Brasil quanto a Terapia de Ondas de Choque e suas aplicações.

51768445_296270967747028_38643414194978816_n

Intoxicaçāo por Flúor e Hipotireoidismo – Fev/19

 

O Flúor foi adicionado inicialmente à água de abastecimento público em 1945 visando à prevenção de cáries na população carente; está contida em grande quantidade em dentifrícios e soluções orais para bochechos e até em alimentos, mesmo estando presente na água de forma natural. Hoje já se sabe que a diminuiçāo da prevalencia de cáries e doenças periodontais se deveu não à incorporação do flúor à água e sim, as melhorias nas condições de higiene, o que inclui a prática regular na escavaçāo dos dentes, o que não justificaria a manutenção do acréscimo do Flúor à água potável até os dias atuais.
A grande quantidade distinta de fontes de flúor pode levar a um consumo elevado deste elemento, resultando em uma intoxicação por Flúor.
Anteriormente a principal causa de intoxicação por flúor residia na ingestão acidental de inseticidas ou raticidas que continham o elemento em questão. Na atualidade, a maior parte dos casos se deve a ingestão de DENTIFRÍCIO. Dentre outras fontes estão: fabricação de vidro, limpeza de cromo e outros metais, ejeção vulcanica contendo flúor, até mesmo ao mau funcionamento dos equipamentos de fluoretação da água. Mas campeão no quesito está no consumo diário de pasta de dentes e soluções orais para bochecho.
A intoxicação aguda decorre da elevada ingestão do flúor e é acidental. Mas a intoxicação cronica, ou seja, ingestão de baixas doses de flúor em um longo período de tempo, está relacionada a alterações nas estruturas dentais e ósseas (Fluorose e a Hipercalcificação), a problemas neurológicos e, talvez o mais relevante atualmente, ao aumento do índice de doenças da Tireoíde, particularmente o Hipotireoidismo (o Flúor compete naturalmente com o Iodo, deslocando este de sua ligação com o pré hormonio da Tireoíde, o que é agravado pela ingesta pobre em Iodo).
Não é sem razão o aumento da procura e venda de dentifrícios livres de Flúor. A dica da semana: procure por pastas de dentes o menos abrasivas possíveis e livres de Flúor.

51811923_2287829214819822_3924935032858214400_n